Desde Maputo até Mocuba

In Africa, De Joanesburgo A Bilibiza, Moçambique, Moçambique 2015, Viagens by hufanLeave a Comment

São as duas da manhã e estamos a chegar de táxi para o “Terminal Rodoviário da Junta” como eles pediram-na noite anterior. O mesmo homem que nos ajudou a obter bilhetes está aqui e está se aproximando. Visualiza nossa bagagem e nos diz que devemos pagar extra porque é muito, mas para o preço que oferece, me dá a impressão de que quer abusar de nós. Tudo tinha ido muito bem até agora que ele quer 300 meticais. Felizmente a Hudie esta a meu lado, e calmamente faz a negociação de preço. Se fosse por mim, já estaria insultar a puro grito para que todo o terminal saiba o que ele faz. Hudie consegue baixar o preço para 100 meticais, dizendo-lhe que vêm de uma organização de desenvolvimento e que a maioria das coisas que trazemos é as roupas que serão entregues no norte do país. O homem aceitou esta justificação e começa a carregar a bagagem no ônibus.
Quando nos mudarmos para o outro lado para guardar o resto da bagagem, vemos várias pessoas no chão, dormindo; esperando a partida do ônibus.
Uma vez que já colocamos nossa bagagem segura, podemos entrar no ônibus para relaxar. Mas o que é isso? o responsável pelo veículo deixou o estéreo com uma música alta demais…
Finalmente as quatro e quarto de manhã o ônibus começa a andar e afortunadamente, o motorista tira do estéreo as melodias nada relaxantes.
Na periferia da cidade, paramos por um tempo ara para pegar mais passageiros ao longo do caminho. Cada hora e meia o motorista pára para fazer uma pausa por alguns minutos e dar a oportunidade aos passageiros de fazer xixi. Ao meio-dia chegamos a um área chamada de Maxixe, onde vamos parar um pouco mais para o almoço. Muitos vendedores na rua fazem sua vida esperando que o ônibus chegue para poder vender seus produtos, então compramos peixe frito com batatas… fritas também. Deixando o lugar, temos a chance de ver o mar. Esperamos que possamos desfrutar de algum tempo nas belas praias que existem aqui.
O resto do dia passa tranquilo. Em um dos impostos onde a guarda nacional esta a verificar, nos param. Eles sempre me faz sentir desconfortável, mas nós mostramos nossos passaportes e seguimos em frente sem problemas.

There are no comments

Join the conversation

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  
Please enter an e-mail address