De Alguma Forma a Jornada Contínua

In Africa, De Joanesburgo A Bilibiza, Moçambique, Moçambique 2015, Não categorizado, Viagens by hufanLeave a Comment

Nós viemos para o outro lado do rio, e aqui há muitas pessoas em pé, esperando para atravessar. Pegamos nossa bagagem e começamos a arrastá-lo para a costa. Imediatamente um grupo de pessoas ficam ao nosso redor e oferecer seu serviço para carregar a bagagem; mas após o impacto com os motoristas de táxi da motocicleta do outro lado do rio, estou muito irritado com quem está a pedir dinheiro, não importa o que eles quer me vender.
Então em vez de pagar a alguém que nos ajude, tento montar as malas no portador, e andamos pela estrada de areia molhada e desigual.
Andamos quase um quilômetro de distância. Muitas pessoas não param de rir em um tom de escárnio. Isto, me faz ainda mas zangado. Felizmente nós temos essa mulher com que aproveitou a oportunidade e agiu como se fosse parte da nossa organização para cruzar o rio. Ela nos faz o favor de trazer pelo menos um dos grandes sacos na cabeça, enquanto eu carrego a mala grande. Mas ainda assim, de vez em quando o terreno irregular faz cair a mala, não importa o que amarre também. Sim duvida, as pessoas ainda olham para nos e escarnam. Eu que concentro-me na minha raiva, que está crescendo e que por falta de sono e esta esgotado corpo e muito difícil de controlar. Já eu não presto atenção a todas as casas danificadas ou os detalhes que passamos nosso caminho.
Finalmente, chegamos no ônibus. Hudie fica lá fora e cuida do que bagagem seja guardado enquanto vou reservar os assentos. Muitas pessoas bêbadas cerca de nos não ajudam a melhorar meu humor, mas depois de um tempo eu me lembro que a maioria dessas pessoas perderam suas casas aqui e agora estão tentando sair para ficar com alguns parentes longe do rio. Muitos deles literalmente perderam tudo. Prometeram-lhes ajuda, sim duvida doadores forâneos, mas o que veio para as pessoas mais necessitadas foi quase nada. Isto é porque a ajuda é filtrada através da corrupção neste país, então nada realmente chego a esta área. As pessoas estão sofrendo, e eu tenho a ousadia de ficar com raiva por que estas pessoas estão tentando  se ganhar a vida. Até tivemos um tratamento especial por atravessar o rio antes de ninguém. Me sinto muito mal por isso; mas vou pensar positivo e tentar controlar a minha arrogância inevitável.
O ônibus está se movendo, e nós ainda temos a esperança de alcançar uma hora razoável para Nampula. De repente quando já estamos quase ao ponto de relaxar, o ônibus para novamente. Uma ponte quebrada que não pode ser atravessada. Temos que descer o ônibus e andar a pé para o outro lado, para pegar outro transporte desde lá. As pessoas as pessoas nos dizem o caminho para chegar ate a estrada. Quando deixamos o caminho… vejo um carro à distância que esta sobre a ponte, apenas suspendido. Passamos por campos e vejo uma pequena ponte feita à mão com varas de madeira. Dos homens cobram 20 meticais por pessoa para atravessar.
Do outro lado há outro ônibus.  Abordamos mas depois de uma hora o veiculo para. Há outra ponte destruída. Os trabalhadores estão tentando torná-lo transitável sob a supervisão de um engenheiro chinês. Não me parece que podemos passar esta ponte hoje, então pedimos ao motorista para nos dar a nossa bagagem para atravessar a ponte a pé.
Encontramos um ônibus do outro lado, mas ele não sairá até que esteja cheio, assim esperamos.
Nosso amigo Ismael chama-nos e perguntou onde nós estamos. Ele diz: “Já atravessaram o rio e estão sobre Alto Moloque? Incrível, foi mais rápido que o meu irmão. Eu acho que ele ainda esta para atravessar o rio!. Eu estou em Alto Moloque. Espero por vocês aqui”. Finalmente, uma boa notícia. Não  liguei para ele antes porque temos pouca energia  no telefone. Além disso, não havia sinal. Que sorte! Não esperávamos ver nosso amigo Ismael aqui, tão perto de Nampula.
Então não há nada para se preocupar. Esperar do que o ônibus avance e chegar onde nosso amigo, que certamente cuidará de nós.
Estamos esperando por algum tempo dentro do ônibus e vemos um homem entrar no veiculo. Seu rosto é muito parecido com o do nosso amigo Ismael. Também nos olha. Seja ele o irmão de nosso amigo?. É bom saber que em breve retornaremos para ficar em família!

There are no comments

Join the conversation

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  
Please enter an e-mail address