Atravessando o Rio

hufan Africa, De Joanesburgo A Bilibiza, Moçambique, Moçambique 2015, Não categorizado, Viagens Leave a Comment

Após a viagem de ônibus que parecia que nunca vai acabar, agora estamos finalmente em Mocuba.

Deixamos o ônibus, mas parece que ninguém sabe ao certo como continuar. O assistente do motorista já coletou o dinheiro daqueles que querem seguir para Nampula, então tem que certificar-se de llegamos para o outro lado. Em seguida nos paramos, o assistente fala com um dos vários moto taxistas que vêm para o nosso ônibus. Ele pula numa moto e deixar-nos esperando para ir para investigar como é a questão de atravessar o rio. Os minutos passam e eu me sinto um pouco ansioso, porque quero chegar a Nampula, antes do anoitecer. Neste caso então não podemos perder tempo esperando por eles aqui, mas agora eu percebo que não podemos nos mover, porque o assistente tem levado a chave do compartimento do ônibus onde esta toda a nossa bagagem. Não da para fazer nada mais do que esperar.
Após uma hora e meia o assistente volta dizendo que há um grande caos na margem do rio e que não e possível cruzar hoje. Só pedimos nossa bagagem para que possamos continuar o caminho. Uma vez com as malas na mão, perguntamos para os moto taxis quanto e que cobram e nos dizer 20 meticais, o que significa que seria 80 meticais no total, porque precisamos de mais dois por nossa bagagem.
A viagem leva apenas cerca de dez minutos, mas é suficiente para perceber que a Mocuba parece uma cidade muito bonita, com muitos edifícios coloniais bem conservados.
Quando chegamos, nossos motoristas alteram o preço e de repente insistem em 50 por moto-táxi. Isso realmente me irrita, mas no fim que Hudie paga o dinheiro e continuamos.
No total são seis pequenas embarcações cruzando o rio para todas essas pessoas. A ponte, que liga Mocuba para o outro lado do rio é a única ligação do Norte ao sul que existe em Moçambique, e estes barcos agora estão substituindo esta importante ponte. Não é surpreendente que a fila é longa, ouvimos dizer que há pessoas aqui que já esperam 5 dias para atravessar o rio.
Isto é tudo? Ficamos presos aqui sem atingir o norte?. Fico na fila enquanto Hudie vai falar com um dos soldados. Não gasta cinco minutos quando pego nossa bagagem e fomos para baixo para os barcos, esperando o próximo que vem para atravessar. “O que você falo eles Hudie?”. “Temos vindo a trabalhar para uma organização de desenvolvimento e que nós estamos indo em direção ao norte do país a oferecer a nossa ajuda e eles concordou com isso.”
Agora estamos já cruzando o rio e a impressão da destruição causada pela natureza nos deixe sem fôlego. Mais de 90 pessoas foram mortas e mais de 25 000 perderam suas casas na enchente.
Você se lembra de ter ouvido falar desta inundação nas notícias ou era mais importante a vida privada de Barak Obama?

 

 

[slideshow_deploy id=’5024′]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *